sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

incessante viagem...

Aceitas. Depois aproveitas. Aproveitas para brincar, sorrir, partilhar, lambuzar, untar, experimentar, aquecer, refazer, beijar incessantemente beijar...
E um dia aceitas novamente. Agora já não te é pedido que aceites a viagem a dois, mas sim a viagem individual... Então pegas em tudo o que recolheste e construíste ao longo dos anos e moldas todo o material daí resultante, como se de uma plasticina se tratasse. Depois deslizas a "massa" pelo teu corpo, deixas que ela o perfume, que o acaricie. Despedes-te dela, guardando-a junto ao peito e pouco a pouco reparas que é absorvida pela tua pele, como se de uma gota de água se tratasse...
Já está. Segues o teu caminho, novo, auspicioso, desafiante e excitante, com a certeza de que tudo o que havia para ser vivido com intensidade o foi e de que o que há para viver é tão sublime e grandioso que nada há a temer!

amor...


Amar é voar em qualquer sítio, a qualquer hora sem precisar de avião...

medo??

Medo?? Só existe para ser ultrapassado ;-)

terça-feira, 23 de agosto de 2011

ousadia, palavra de ordem todos os dias:-)



(...) "Há génio, poder e magia na ousadia"

quarta-feira, 27 de julho de 2011

receita para fazer o azul, by Nuno Judice

♥ ♥

Se quiseres fazer azul,
pega num pedaço de céu e mete-o numa panela grande,
que possas levar ao lume do horizonte;
depois mexe o azul com um resto de vermelho
da madrugada, até que ele se desfaça;
despeja tudo num bacio bem limpo,
para que nada reste das impurezas da tarde.
Por fim, peneira um resto de ouro da areia
do meio-dia, até que a cor pegue ao fundo de metal.
Se quiseres, para que as cores se não desprendam
com o tempo, deita no líquido um caroço de pêssego queimado.
Vê-lo-ás desfazer-se, sem deixar sinais de que alguma vez
ali o puseste; e nem o negro da cinza deixará um resto de ocre
na superfície dourada. Podes, então, levantar a cor
até à altura dos olhos, e compará-la com o azul autêntico.
Ambas a s cores te parecerão semelhantes, sem que
possas distinguir entre uma e outra.
Assim o fiz – eu, Abraão ben Judá Ibn Haim,
iluminador de Loulé – e deixei a receita a quem quiser,
algum dia, imitar o céu.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

felizes

Felizes os que pouco temem, os que pouco complicam, os que pouco hesitam, os que pouco se retraem, os que pouco são pouco! Felizes os que amam intensamente, os que se perdem pelos tortuosos caminhos da aventura, os que se atiram de cabeça aos desafios, os que se agarram à vida com a certeza de que ela é única e irrepetível.

domingo, 13 de junho de 2010

crianças

Tia: Sabes lindo, ele é porreiro!
Sobrinho: Porreiro??
Tia: Sim, querido. Porreiro é alguém simpático, boa gente!
Sobrinho: Ah, assim como tu!

:-)))))))))))

love...

Bem hajam os que nos dizem com todas as letras amo-te todos os dias e a qualquer hora.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

anjos e diabos

"Santo António escreveu uma vez sobre ter ido para o deserto em retiro silencioso e de ter sido assaltado por todo o tipo de visões - tanto diabos como anjos. Ele disse que às vezes, na sua solidão, encontrava diabos que pareciam anjos e anjos que pareciam diabos. Quando lhe perguntaram como é que ele conseguia ver a diferença, o santo disse que só se pode dizer quem é quem pela forma como nos sentimos depois da criatura ter saído da nossa presença. Se ficarmos aterrados, foi um diabo que nos visitou. Se nos sentirmos iluminados, foi um anjo."

segunda-feira, 5 de abril de 2010

lindo

O meu doce Pinho... aqui comunicando com um pombo do outro lado da rua:-)

segunda-feira, 29 de março de 2010

abusos







Algumas imagens que recebi há poucos dias via email. Todas elas são anúncios pensados para sensibilizar as pessoas para certas causas: mortes nas estradas, uso do preservativo, violência doméstica e violação dos direitos dos animais. Gostei e por isso resolvi partilhar.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

cada um tem direito a ter a sua pele

Se há coisa que me perturba é matarmos animais por puro prazer... para satisfazer as nossas mais luxuriosas vontades!

sábado, 9 de janeiro de 2010

pacificar

A importância de estar em paz com o mundo...

jd

Uma cartinha deliciosa...

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

adormecidos


"Os homens vivem como se nunca fossem morrer... e morrem como se nunca tivessem vivido."
Frase: terá sido Dalai Lama?

sábado, 12 de dezembro de 2009

conforto


Saber-me amada pelo meu “bem-querer”
Ter o Pinho a ressonar ao meu lado.
Ouvir o segredar das estrelas no céu alto
Ter a quem ligar para marcar um chocolate com leite quentinho ou um almoço na baixa
Apreciar a voz do Djvan no computador
Programar uma viagem ao Brasil, sabendo que a próxima é Barcelona
Tocar o meu corpo saudável
Escrever umas linhas no meu livro prestes a ficar pronto
Pensar no trabalho marcado para amanhã
Suspirar de prazer de me saber viva e feliz…

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

escolhas


A magia existe. Podemos escolher viver com ou sem ela! Eu escolho-a como parceira inseparável.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

santa maria Tigresa


Um momento muito bem passado. Nossa Sra. Tigressa, mãe de todas nós!
A amizade é uma coisa estrondosa!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

rotina

Afinal apanhou-me. Não posso dizer que desprevenida, pois afinal fui-lhe deixando a porta aberta negligentemente.
Nego insistentemente a sua existência na minha. Espalho aos quatro cantos do mundo que não a suporto, que a abomino e que assim sendo jamais a deixarei tomar conta de mim. Tenho receio de me embrenhar no calor falso dos seus braços cruzados, porque no fundo a sei forte e tentadora. Sei que se veste de vermelho para disfarçar a "negritude" da sua essência. Conheço-a, a ela e aos seus disfarces, mas sem coragem de a trucidar convido-a a sentar-se no sofá mais pequeno da alma e ela… Ela age em conformidade com o meu prazer e conforto mais terrenos. Tenho a vaga impressão que certos dias até dorme comigo na cama e acorda-me de manhã para ir trabalhar. Dá-me beijos suaves e promete-me amor eterno.
Mas hoje vi-a. Alguém ma denunciou. Ali andava ela a girar em torno de mim, com uma agulhinha fina de linha na ponta, prestes a cozer-me a boca e os membros superiores e inferiores.
Olho-a de frente! Penso: Vou matá-la! Pego na faca afiada! Agora só tenho de conseguir espetar-lha até às entranhas e ficar a vê-la definhar!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

voar


Sete grãos de areia na minha mão,
colados à palma, dançado nas linhas mais carregadas.
Mudam de cor a cada nascer ou pôr do Sol.
Assim é às vezes a minha mente: um deserto sem estradas definidas.
Tudo em aberto. Não falta vento para me levar...

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Milhas e milhas de caminho a percorrer

Sinto-me cada vez mais longe de uma sociedade formatada.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

memórias

Ontem lembrei-me do Sr. Cavalista - vaqueiro. Figura real da minha infância. As tardes na fila de espera, vendo a ordenha das vacas e o leite quente jorrar para as bilhas de latão.

viagens físicas


"O mundo é algo que uma vida não abarca."

Nota: com um mapa na mão e uma milhenta de lugares desconhecidos. Viagens desejadas, vontades latentes.

o descanso do(a) guerreiro(a)

Meses a fio num quarto com quatro rodas, pisando o alcatrão quente.
Um Verão sem descanso, nos quais o trabalho se mistura com o prazer.
Infindáveis traços no mapa, rumo a todos os locais possíveis.
Roupa lavada num fio de água corrente, para passar os dias sem mácula de suor.
O regresso envolto numa nuvem fina de poeira cintilante, que incita a uma nova aventura.

soltar o espírito ao balanço do corpo


As aulas de dança... Outubro, o mês de alguns recomeços!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

mundo meu


viajo com o vento nas costas e uma gota de água na língua.

terça-feira, 9 de junho de 2009

faces

A arrogância é uma característica dos inseguros.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

inteiramente

Que se abra o mundo de par em par para receber o meu abraço, pois a minha dádiva é infinita e o meu amor de partilha.
Esqueçam, aqueles que me querem pela metade!
Aguentem ou então desistam!
Eu quero saber que fui sempre inteira, sem medos e lamúrias!

quem ama a vida não foge dela... saboreia-a gota a gota, fria ou quente, áspera ou suave, doce ou amarga, rude ou delicada, calma ou rebelde!

terça-feira, 7 de abril de 2009

paixão


Noites de amor,
desejos nutridos,
luas alcansáveis




quinta-feira, 2 de abril de 2009

à medida da minha mente

Moro num mundo imaginário.
Constituído por janelas abertas,
ruas povoadas de gente feliz,
espelhos retrovisores,
arcos ogivais
e pedras de muitos amores.

Habito uma cidade encantada.
Repleta de muros rachados pelas raízes das flores,
becos iluminados por retorcidos candeeiros,
casas habitadas por gatos vadios,
roupa estendida em cordas
e umbigos tapados por panos mesclados.

Vivo num quintal de papoilas cor de sangue.
Ladeado por paredes de cal branca,
terra rasgada por mãos grandes,
caixas compartimentadas e cheias de pós mágicos,
e Seres que engolem o Sol.

quinta-feira, 26 de março de 2009

fazer o que não se gosta

Loucos os que ainda têm pena dos que vivem com asas!

domingo, 15 de março de 2009

amor incondicional

Quando amamos de verdade conseguimos ver no mais banal dos gestos a perfeição…
Deliciamo-nos com a atitude mais comum,
Emocionamo-nos com o hábito mais trivial…
Descobrimos que afinal pouco é muito
E que para termos muito, nada mais precisamos do que capacidade para amar!

quinta-feira, 12 de março de 2009

a amizade é linda:-)

Esta semana começou da melhor maneira. Na manhã de segunda-feira tomei o pequeno-almoço sentada numa esplanada, ao sol, na companhia de duas pessoas que amo...
Invadiu-me uma sensação de felicidade, de prazer e de alegria e ao mesmo tempo de tristeza, por não conseguir esticar o tempo e imortalizar as horas:-)

sábado, 28 de fevereiro de 2009

...e depois descansar

Tirei os livros das prateleiras, um a um, e percebi que dois ou três pertecem a alguém que mos confiou há muito tempo. Coloquei-os na mesa da sala e em poucos dias dei-lhes o devido retorno.
Depois descansei confortável na cama quentinha... dever cumprido.

tudo com amor

"Somos livres de escolher, mas obrigados a tomar decisões"

domingo, 18 de janeiro de 2009

ir


Visita todos os anos pelo menos um sitio onde nunca foste...

sábado, 17 de janeiro de 2009

que bando lindo tenho ao meu lado

"aves da mesma plumagem voam juntas."

“quem olha para fora sonha, quem olha para dentro cresce”

Os dias podem ser todos iguais, se assim o quisermos. Podemos ser protagonistas de uma história sem grandes combates interiores, sem profundas questões, sem visionários objectivos. Podemos viver numa mansidão adormecida. Somos livres de não querer subir ao topo de nós mesmos.
Podemos.
Podemos pois.
Escolher a facilidade não é algo punível. É legítimo.
Mas onde nos leva essa viagem parada? Que sentido fará a vida se o caminho a percorrer for deslizar de uma ponta para a outra de um confortável banco de jardim?
Pois não sei.
Eu escolho levantar-me do banco e caminhar umas vezes descalça, outras calçada por uma estrada curvilínea e de piso irregular, sabendo que algures a meio, ou numa pequena paragem haverá um oásis de água fresca onde tomar um banho e molhar a garganta…

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

o sol, o mar, os olhor, o odor

olho a Ria Formosa.
o sol toca-me a pele e aquece-me para lá do casaco de inverno.
agradeço estar aqui.
molha-me o rosto uma lágrima.
sorrio por estar feliz.
sigo.
trago.
guardo.
estou.
que bom.
estou.
sou.

vermelho

é bom saber-nos apaixonados...
____________________________________
João Bosco escreveu e canta:
____________________________________

Eu já esqueci você
Tento crer
Nesses lábios que meus lábios sugam de prazer
Sugo sempre
Busco sempre a sonhar em vão
Cor vermelha, carne da sua boca, coração
Eu já esqueci você, tento crer
Seu nome, sua cara, seu jeito, seu odor
Sua casa, sua cama
Sua carne, seu suor
Eu pertenço a raça da pedra dura
Quando enfim juro que esqueci
Quem se lembra de você em mim
Em mim
Não sou eu, sofro e sei
Não sou eu, finjo que não sei, não sou eu
Sonho bocas que murmuram
Tranço em pernas que procuram... enfim
Não sou eu, sofro e sei
Quem se lembra de você em mim
Eu sei, eu sei
Bate é na memória da minha pele
Bate é no sangue que bombeia
Na minha veia
Bate é no champanhe que borbulhava
Na sua taça e que borbulha agora na taça da minha cabeça
Eu já esqueci você, tento crer
Nesses lábios que meus lábios sugam de prazer
Sugo sempre
Busco sempre a sonhar em vão
Cor vermelha, carne da sua boca, coração

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

madrid

Para que o ano comece bem, temos de passar a meia-noite longe de casa e com pessoas especiais, he, he.
Podemos até estar no meio do mato, ou no meio de uma praia ou montanha desertas, que desde que tenhamos a companhia de quem amamos e gostamos tudo será um perfeito inicio!
Preparo-me para a viagem, na companhia de amigos especiais e levando o meu amor no meu coração... estará comigo em cada recanto que pisar...

mário quintana escreveu

3 de Dezembro: Dia Internacional da Pessoa Portadora de Deficiência

'Deficiente' é aquele que não consegue modificar a sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
'Louco' é aquele que não procura ser feliz com o que possui .
'Cego' é aquele que não vê o seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para os seus míseros problemas e pequenas dores.
'Surdo' é aquele que não tem tempo para ouvir o desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão, pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir os seus tostões no final do mês.
'Mudo' é aquele que não consegue falar do que sente e se esconde por detrás da máscara da hipocrisia.
'Paralítico' é aquele que não consegue andar na direcção daqueles que precisam da sua ajuda.
'Diabético' é aquele que não consegue ser doce.
'Anão' é aquele que não sabe deixar o amor crescer.
E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

A amizade é um amor que nunca morre.

bom dia

Está frio aqui dentro, debaixo destes lençóis envoltos num quente edredão. Mas lá fora o sol espreita e aquece paredes, calçada e cabeças que por debaixo dele se passeiam.
Então para quê perder tempo deitada horas a mais? Para quê sucumbir à preguiça e ficar mais uma hora enroscada como um gato debaixo desta pele improvisada?

E pensando assim rompo a manhã, bem cedo, deixando que os raios dessa estrela incandescente me inundem a alma.

É mais um dia cheio de tarefas, cheio de vigor, cheio de desafios, cheio de aventuras e juro que nem o trabalho imparável me fará esquecer a sensação do sol na cara!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

a um Deus meu

Peço-te a ti, Deus imenso de todas as coisas visíveis e invisíveis que me dês o que peço, de mãos postas aos céus peço, acreditando no teu poder e generosidade, peço:

Peço que me conserves a saúde do corpo e da alma
Peço que dês aos que amo bem-estar, saúde e vontade de viver
Peço que me deixes seguir vários caminhos e que todos eles se me apresentem essenciais
Peço que me dês abundância de amor, de paixão, de tesão, de atrevimento
Peço que me banhes o corpo e a alma de pureza, mas não de santidade, para isso existes Tu Grandioso Deus
Peço que me concedas desejos infinitos
Peço que me deixes viajar, conhecer gente e olhar nos olhos de todos os que passam por mim
Peço que me aconchegues em noites de frio com um cobertor quentinho
Peço que me invadas por dentro e por fora
Peço que me protejas das intempéries, mesmo que elas tenham de fazer parte dos meus dias de quando em vez
Peço que me laves os cabelos com água perfumada
Peço que me ensines os teus desígnios e que me mostres como mostrá-los aos demais
Peço que existas, com todas as tuas forças em mim
Peço que sejas o que eu imagino que és
Peço que nunca me tires esta sensação de ser feliz
Cada vez mais feliz. Cada vez mais única. Cada vez maior. Cada vez mais livre. Cada vez mais verdadeira. Cada vez mais sensível. Cada vez mais forte. Cada vez mais certa. Cada vez mais destemida. Cada vez mais lágrima. Cada vez mais sorriso. Cada vez mais vida, mais vida, mais vida, mais vida, mais vida, Mais Vida, Mais Vida, MAIS VIDA, MAIS VIDA… CADA VEZ MAIS VIVA!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

figueira da vó Tonha

Esta é a figueira da vó Tonha. Está no quintal da tia Lídia desde que a avó partiu há mais de vinte anos. Na altura, era uma árvore pequenina que tinha como casa um singelo vaso, depois quis o destino que tivesse uma casa maior, onde as suas raízes se pudessem espraiar pela terra fresca e fecunda.
Conhecemo-nos dia 1 de Novembro deste ano. Fiquei feliz em saber da sua existência. É mais uma das muitas recordações vivas que a vó Tonha me (nos) deixou.

o Pinho está pelo algarve




quarta-feira, 15 de outubro de 2008

um gato perdido numa enorme cidade


Fazendo fronteira com o Brasil e a Argentina, o Uruguai destaca-se pela sua posição estratégica. A sua capital tem um dos maiores e mais importantes portos comerciais do mundo.
Com cerca de 1.400.000 habitantes, Montevideo, capital do Uruguai, é uma cidade moderna, com estilo europeu, situada no estuário do Rio de la Plata.

Na parte velha da cidade, em suas construções coloniais, encontram-se museus, galerias de arte e antiquários. Na principal avenida, a 18 de Julho, estão localizados hoteis, bares e restaurantes.

pobrema é coisa de pobre:-)))

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor daprópria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um "não".
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

Fernando Pessoa

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

rumo

só sei que o mundo vai de lá para cá
andando por aqui por acolá.

saudade boa

saudade de ti
saudade da nuvem
saudade do peludo cinzento
saudade do grupo
saudade dos risos deste e daquele
saudade da casa acolhedora
saudade da alegria das festas do licor
saudade do quente do verão
saudade da sempre presente
saudade daquele que partiu
saudade de correr na passadeira
saudade de pedalar
saudade do livro
saudade boa, daquela que não dói.
saudade que constrói e alimenta a alma.
saudade que me faz ter os braços abertos ao novo
saudade que ama
saudade que transforma
Felicidade, pois só tem saudades quem a vida tem cheia de coisas maravilhosas!

milhas

Há palavras que gostariamos de ter sido nós a juntá-las fazendo com elas um momento perfeito de amor. João Bosco:

Cores do mar, festa do sol
Vida é fazer
Todo o sonho brilhar
Ser feliz
No teu colo dormir
E depois acordar
Sendo o seu colorido
Brinquedo de Papel Machê...

Dormir no teu colo
É tornar a nascer
Violeta e azul
Outro ser
Luz do querer...
Não vai desbotar
Lilás cor do mar
Seda cor de batom
Arco-íris crepom
Nada vai desbotar
Brinquedo de Papel Machê...

Dormir no teu colo
É tornar a nascer
Violeta e azul
Outro serLuz do querer...
Não vai desbotar
Lilás cor do mar
Seda cor de batom
Arco-íris crepom
Nada vai desbotar
Brinquedo de Papel Machê...

sábado, 27 de setembro de 2008

o meu amoroso pinho


se a saudade fosse palpável, teria em meu redor uma torre bem grande.

gataria fofa II


O Farrusco, um siamês especial, que neste momento se mudou do Algarve para o Alentejo, em busca de uma vida mais próxima da natureza e da "passarada", he, he. O gato da amiga Nuvem

gataria fofa

A fantástica "Cobre", gata que vive na zona mais in da cidade de Faro. Dona do pedaço! Ali não há gatinho que resista aos seus miados. Para além disso, faz alta miadeira na porta da vizinhança, pedindo festas e comidinha saborosa:-)


A Flor, linda e peluda, o docinho de côco da Hélia.



Miró, o gato fotogénico, o docinho de caramelo da Hélia

Luna, a gatinha fera, docinho de chocolate, da amiga Hélia:-)

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

alegria

há uns que lutam diariamente pela felicidade: esses dão socos no ar, batem com a cabeça milhares de vezes na parede, erram, ficam desempregados, encontram outros empregos, começam amizades, deixam outras a meio, conservam outras para sempre e crescem todos os dias um nadinha, dando passos rumo à alegria. Para esses os dias são pequenos, pois muito há a preparar e reparar.

há outros cuja luta é mais dura. Fazem coisas que não gostam, estão cansados e acomodados nos seus empregos e vidas, e o seu grande desafio resume-se a uma questão diária: "como vou aguentar mais um dia aqui?". Esses olham para o relógio constantemente e desejam chegar a casa e enterrar-se no sofá, fingindo que amanhã não existe de modo igual. Para esses os dias são grandes, compridos, intermináveis e vazios de alegria.

outros há que se encontraram e lutam para conservar a felicidade sem nunca esquecerem que só as plantas que são regadas crescem viçosas.

"Arranja um trabalho que gostes e não terás de trabalhar um só dia na tua vida", Dalai Lama

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

na caldeira do vulcão

A caldeira do vulcão na ilha do Faial. A foto não é minha, pois quando fui de telemóvel na mão, pronta a tirar uma foto (mesmo que não com a qualidade merecida) o nevoeiro dificultou-me a vida...:-)

sábado, 2 de agosto de 2008

Oh, vida de mar...


A beleza dos Açores entranha-se em nós. Aqui só não é feliz quem se recuse a sê-lo...

aos 70 anos... fala-se assim

'Aprendi que apesar do que quer que aconteça, e do quanto pareça mau, a vida continua e será melhor amanhã.'

'Aprendi que se pode conhecer bastante bem uma pessoa a partir da forma como ele ou ela reage em três situações: num dia de chuva, com bagagem perdida e na forma como desembaraça as luzes de Natal.'

'Aprendi que independentemente da forma como te relacionas com os teus parentes, vais sentir a falta deles quando sairem da tua vida.'

'Aprendi que 'fazer pela vida' não é o mesmo que 'fazer uma vida'.'

'Aprendi que a vida às vezes dá-te uma segunda oportunidade.'

'Aprendi que não deves viver a vida com uma luva de 'apanhador' em cada mão, deves ter a possibilidade de poder atirar (devolver) alguma coisa.'

'Aprendi que sempre que decido alguma coisa de coração aberto, normalmente tomo a decisão acertada.'

'Aprendi que, mesmo quando tenho dores, não tenho que ser uma dor.'

'Aprendi que todos os dias devemos tentar tocar alguém, as pessoas adoram um abraço quente ou uma simples pancadinha nas costas'

'Aprendi que ainda tenho muito para aprender.'

'Aprendi que as pessoas esquecerão o que disseste, esquecerão o que fizeste, mas nunca esquecerão o que lhes fizeste sentir.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

:-))))))))))))))))))))))))))))))))))








cérebro

Turva-se o dia.
Não o nosso, o de outros.
Mas de repente somos apanhados na torrente
como meros peixinhos indefesos em águas de um rio impiedoso.
Bate-nos o coração.
Queremos ajudar,
resolver um problema não nosso,
mas também já nossa pertença...emprestada, semi-imposta.
Mas somos pequenos! Meros peixinhos apanhados na torrente feroz!
Raios!
Doi-nos a cabeça, estoiram-nos os opérculos e na boca...ahhh na boca...
na boca um sabor amargo a mel estragado.
Pensamos. Pensamos.
Passam as horas.
E após meia-duzia mal contada, decidimos agir.
Crescem-nos gelras contundentes, endurecem-se-nos as escamas e enchemos o peito de ar à superficie.
Tornamo-nos grandes, enormes, gigantes.
Somos peixes temidos, somos mestres, dominamos as flutuações e o rumo das cheias.
Agarramos o problema dos outros e mastigamo-lo como se de um sabor insípido se tratasse.
Cuspimo-lo em seguida.
E prometemos, prometemos, prometemos, sem mais, sem menos, sem nada!
Prometemos que não mais será assim!
Mas que treta! Não será quando? Onde? O que interessa não é o hoje?
HOJE NÃO será MAIS ASSIM! HOJE NÃO SERÁ MAIS ASSIM!

...

I'll love you until my dying day

quinta-feira, 17 de julho de 2008

vive hoje

A vida corre-nos debaixo dos pés, para que tenhamos percepção da sua fugacidade.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

cuido-vos

então as pérolas vieram parar-te às mãos, foi?
Que bom! basta agora que saibas cuidá-las como merecem!

Se as tratares bem poderás usufruir do seu esplendor máximo, caso não, tê-las-às porventura, mas baças, sem vida.

ao sabor do vento

Hoje de manhã saí muito cedo,

Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer...
Não sabia que caminho tomar
Mas o vento soprava forte,
varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.

Assim tem sido sempre a minha vida, e
Assim quero que possa ser sempre
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar.

Alberto Caeiro

amo-te vida

Vivo num mundo simples,
rodeada de coisas belas,
ladeada por pessoas diferentes,
bafejada por pensamentos prateados
acarinhada por sentimentos profundos
invadida por sorrisos cintilantes
imersa em ti... vida que és sol e lua e tudo mais!

"desregrar"

Já temos tanto trabalho para aboliar as regras que nos são impostas... que se pergunta:
Então para quê arranjar outras que as substituam?

regra de hoje


"Dar um passo em frente"

open mind


O preconceito é enganador para quem o sente.

Torna o ser humano pequeno, quando simultaneamente o faz crer que é maior que os outros!

Como é bom ser grande... que asas criamos, que medos perdemos, que vida cheia ganhamos... Se eles, os preconceituosos, soubessem lavavam-se com água do mar e esfregavam-se com areia até perderem a pele que os cobre para dar lugar a uma outra, bem mais leve e luminosa...

viver sem travões

Quem se acomoda, acumula frustrações!

quinta-feira, 5 de junho de 2008

regra de hoje

O Sol impôs a regra:

Este é o dia das decisões.

A organização é essencial:-)

sofrimento em demasia é tolice

A dor tem de existir e cooabitar connosco... o sofrimento não.
Esse é apenas uma escolha. Deve aparecer de vez em quando mas durar pouco em cada momento das nossas vidas.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

fábula:-)

Era uma vez um pássaro azul e branco, com uma asinha ferida, que voava timidamente por uma enorme floresta, cheia de lagos, carros de mula e árvores. Um dia ao passar pela árvore mais alta do bosque ouviu o canto de uma bela e formosa cigarra.
Aproximou-se para ouvir o seu cantar. Era doce e hipnotizante e o pequeno pássaro deixou-se ficar inebriado. A cigarra parecia feliz, e com um enorme sorriso na cara convidou-o para subir à sua árvore. Passaram o dia juntos. Cantaram as canções da cigarra, riram das histórias e aventuras do passarinho e tornaram-se muito cúmplices. Tão cúmplices que a cigarra cuidou da asinha ferida do pássaro, com o seu jeitinho muito especial.
À noite quando a lua apareceu redonda e cheia no céu beijaram-se, contaram estrelas, abraçaram-se para suportar o frio da escuridão nocturna e fizeram promessas de amor.
Na manhã seguinte pareciam duas criaturas saídas de uma história de encantar. Ambos pareciam cobertos por um manto mágico e intransponível… a natureza havia-os brindado com o mais belo de si: o amor!
O pássaro azul e branco passou a visitar a cigarra todos os dias. E ela abria as asas de par em par para o receber. Ele levava-lhe presentes que pedia com jeitinho à floresta: pinhas, flores, raízes… e outras delicias mais. A cigarra sentia-se feliz. O pássaro também. E a sua asa ficava melhor a cada hora que passava.
Um dia, num desses dias de imensa felicidade, o pássaro chegou à árvore da cigarra. Levava consigo uma mochila preparada para uma grande viagem… tinha tudo pronto. Tinha planos. Queria levar a cigarra a conhecer outras florestas. A cigarra ouviu o desafio e sorriu, mas em seguida chorou… não podia ir… tinha atada à perna uma corrente fininha de ouro, que a prendia aquela árvore e que a impedia de sair dali.
O pássaro ao ver aquilo vacilou, mas recompondo-se mostrou-se forte o suficiente para partir o atilho dourado. Arranjariam uma solução, ele tinha a certeza.
Mas a cigarra, olhando para a perna presa contou-lhe a sua história. Disse-lhe que numa altura de grande fome e frio, uma águia grande e poderosa lhe havia dado protecção e comida e que em troca ela lhe tinha dado a sua liberdade. Assim sendo não poderia ir… Ali havia tudo o que precisava e de vez em quando a águia vinha e soltava-a da corrente, deixando-a ir por breves momentos… acreditando que ela voltava. Não poderia trair a sua águia… não seria justo.
O pássaro compreendeu e continuou a visitá-la de olhos tristes, presos na corrente de ouro… mas cheio de amor. E a cigarra passou a ter medo que um dia o pássaro agarrasse na mochila e se fizesse ao caminho sozinho.
E cantaram, e contaram histórias e olharam a lua vezes e vezes sem fim, pedindo às estrelas que nunca nada os separasse… na esperança que um dia a corrente se partisse para sempre!

quinta-feira, 29 de maio de 2008

mundos



O meu mundo é Grande
Tem triliões de estrelas que iluminam céu, terra e mar
Tem rios de água cristalina e viva
Tem chuvas frias em dias quentes
Tem sol em dias frios
Tem luz sem fim
Tem regressos e idas
Tem palavras e silêncios que enchem os vazios
Tem papoilas vermelhas
Tem malmequeres amarelos e brancos
Tem pássaros que nos oferecem as suas asas
e tem dois braços à tua espera…

sábado, 24 de maio de 2008

eu sou o outro

Eu não sou eu nem sou o outro,
Sou qualquer coisa de intermédio.
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o outro.

uns versos

Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo
Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco,
O seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco
Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
Eu chovo
Sobre o seu cabelo,
Pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois rasgo

quarta-feira, 21 de maio de 2008

a lua cheia...

Sem descolar as pálpebras inspiro com força e sinto entrar por mim adentro o perfume que mais amo... aquele que me leva a lamber os lábios, a contrair as costas, a suar as mãos...
Percebo então que me deleito em teus braços fortes e quentes... e desfaleço para que não me possas largar jamais!
Minha lua, meu sol, meu pedaço de terra fresca, meu ar, meu céu azul de nuvens enfeitado, meu mar revolto, meu fogo brilhante...

pois é...

"Os valores devem ser estruturantes, mas não devem ser extremistas."

áfrica e a música


Navega
Mayra Andrade

Oh vida di már, vida di piskador
Regrésu tom nsértu tenê-m kurasom ku dor !
Alê-m li xintádu, na kais di bu partida
Xintidu angustiádu i lágrimas di amor.
Má ku tudu fé m-ta djobi seu,
M-ta pidi Deus pa bránda már
Pa bu navega kaminhu di vólta
Ku bóti karegádu pa um diâ más diskansádu.
Mudjer di piskador ku se sánta na altár
Um véla pa kada noti...
Obi som di nha búziu, bem pa mi
Ka bu bai más lonji ki si...
Oh már! oh seu !
Trazê-l pa pértu-mi !
Dixâ-l p-e bem brasâ-m !

hoje


Abre as janelas da tua casa de par em par
Debruça-te sobre uma delas
Olha em frente…
Sente o calor do sol e o vento na face
Mata em ti toda a tristeza
Faz brotar em ti o odor dos frutos
Canta alto por dentro, por fora, por todos os poros
Acaricia a tua pele.
Faz planos para hoje.
Concretiza-os.
E amanhã… amanhã faz o mesmo!

terça-feira, 13 de maio de 2008

vem tanta coisa à cabeça

Os silêncios são sempre mais verdadeiros do que as palavras.
Temos de saber escutá-los...

expressão


segunda-feira, 12 de maio de 2008

sabes-me bem

É algo indecifrável..., o enfrentar mil medos pelo prazer que advém de cada passada em direcção à sua fonte.
É uma união sem palavras, tão mais perfeita quanto silenciosa. Pois das palavras vem o logro e a ilusão, sem lugar numa vida onde é tudo viver!
É um mar revolto que magnetiza e nos faz crer no conforto da flutuabilidade e esquecer a avidez das suas ondas;
É o meu querer nada te dizer, e assim soçobrar toda a inquietação.
É o tocar o frémito lânguido da entrega, e tocá-lo sem as mãos, que não têm habilidade para conter essa explosão;
É o inundar das narinas nesse torvelinho hormonal;
É o confiar em mim, por saber certo o querer amar-te;
É querer ser mais homem, para me reflectir no teu sorriso;
É o querer ser levado pela mão e no último momento insurgir o meu coração sobre todas as paixões;
É o querer possuir-te a alma e ao olhá-la ver-me a mim extasiado.

sal


Partes por esse mar fora, buscado o que dentro de ti só existe longe.
Desejas romper as ondas fortes e o apelo que sentes pelo cheiro a sal, que te fere as narinas.
Eu fico. Eu Espero.

“Oh mar, oh céu, trazei-o para perto de mim,
Deixai-me abraçar o seu peito…”

O sentido angustiado, as lágrimas de amor… felizes e tristes, perenes até teu regresso.
Fé, fé e amor, amor, amor, amor.